Pub

Violência no namoro: Amor ou Obsessão?

Violência no namoro: Amor ou Obsessão?


“O amor é cego, e os namorados nunca vêem as tolices que praticam.”

(William Shakespeare)

Pensar em violência transporta-nos de imediato, ao nível do senso comum para a agressão exercida na sua generalidade por parte do homem sobre a mulher em contexto doméstico ou conjugal. No entanto, esta ideia está distante de se adaptar ao actual conceito e significado de violência e às formas que esta assume.
Foto: Sempre Família
Partindo do conceito de violência doméstica irei encaminhar o artigo no sentido da violência no namoro, cada vez mais comum na adolescência.

Como ocorre a Violência no namoro e quais as suas principais causas, são algumas das questões que vão ser abordadas com objectivo de esclarecer, informar mas sobretudo prevenir esta problemática que tende a aumentar, assumindo contornos cada vez mais graves.


  • Violência Doméstica: entendida nas sociedades ocidentais e num sentido amplo, como a prática de um ou mais crimes no contexto de uma relação de parentesco, adopção, afinidade ou simplesmente de intimidade
  • Violência no Namoro: é um acto de violência, pontual ou sucessivo, cometido por um dos parceiros numa relação amorosa. Acontece quando um dos parceiros exerce poder e controlo sobre o outro com vista a conseguir o que pretende.

Em Portugal estima-se que uma em cada quatro jovens ou adolescentes é vítima de violência no namoro. Este tipo de violência é considerado um crime público punível por lei e integra-se no quadro legal da violência doméstica.

Como identificar a Violência no Namoro? 

A violência no namoro é identificada através de: 

  • Maus tratos físicos e psicológicos;
  • Abusos e violências sexuais, intimidações,
  • Humilhações, etc.

Nas fases iniciais a maioria dos jovens que sofrem de violência numa relação de namoro consideram que é uma forma natural do namorado(a) manifestar ou demonstrar o seu amor, acabando por considerar que são comportamentos normais os ciúmes excessivos e as atitudes agressivas de controlo e sentimentos de posse, mesmo não se sentindo bem pensando na maioria das vezes: “ Se tem ciúmes é porque gosta muito de mim”.

Quais as principais causas da violência no namoro? 


  • Tendência para exercer violência baseado em crenças e atitudes, por Ex: pensar que a forma mais fácil e rápida para resolver uma situação é ser violento ou agressivo;
  • Vítimas infantis de agressões e violência Ex: Crianças que crescem a observar comportamentos de violência ou agressão nas suas figuras de referência (pais)
  • Ciúmes possessivos, perturbações psicológicas, uso de álcool e drogas, etc.

Diversas Formas de violência:

Por violência não se entende apenas murros e pontapés, isto é violência física, a violência mais comum é a emocional: insultos, humilhações, ameaças, tentativas de controlo.
 No namoro as agressões são mútuas e a vítima interpreta esses actos “erradamente” como sendo de ciúme, minimizando o episódio, e acredita que com o casamento, as coisas vão mudar. Mas isso nem sempre é verdade e geralmente, a violência intensifica-se.

Algumas mulheres acabam por sofrer tanto como as que já estão casadas, diferenciando-se apenas pela inexistência do vínculo do matrimónio e de filhos. Mas a ocorrência da violência no namoro deveria representar “um sinal de alarme” para as mulheres.

Tal como no casamento, também no namoro “o medo da mulher é um aliado do agressor”. O receio de perseguições e retaliações acaba por levá-la a render-se ao domínio do namorado, o que muitas vezes a impede de reagir mais cedo.

Quais as principais consequências da violência no namoro?

Algumas das principais consequências da violência no namoro desencadeiam os seguintes sinais e sintomas:


  • Perda de apetite
  • Nódoas negras no corpo e/ou no rosto
  • Nervosismo
  • Tristeza
  • Ansiedade
  • Sentimentos de culpa
  • Baixa auto-estima
  • Depressão
  • Isolamento
  • Gravidez indesejada
  • Doenças sexualmente transmissíveis
  • Baixo rendimento escolar ou abandono escolar
  • Suicídio (numa fase mais avançada do problema)

Existem diversas entidades que prestam serviços de apoio às vítimas de violência doméstica. Aqui ficam registadas algumas dessas:

  • Linha de Emergência Nacional – Serviço telefónico gratuito, através da linha 144, disponível 24 horas por dia.
  • Linha Telefónica de Informação às Vítimas de Violência Doméstica – Serviço telefónico de informação gratuito, anónimo e confidencial, através do número 800 202 148, disponível 24 horas por dia.
  • CIDM (Comissão para a Igualdade e para os Direitos das Mulheres) disponibiliza um serviço de informação e apoio jurídico de carácter confidencial e gratuito. É necessário fazer marcação prévia nas instalações da CIMD.
  • UMAR (União Mulheres Alternativa e Resposta), uma organização não governamental de mulheres que disponibiliza centros de atendimento, apoio e acolhimento às mulheres vítimas de violência.
  • APAV (Associação Portuguesa de Apoio à Vítima) proporciona apoio jurídico, psicológico e social às vítimas de crime e a seus familiares.

Embora existam alguns casos de violência por parte das raparigas, a maioria é exercida pelos rapazes. Os casos de violência são identificados em todos os casais (independente da opção sexual, raça, religião, faixa etária, etnias ou estratos sociais). É urgente sensibilizar os jovens para esta realidade de forma a prevenir e intervir em situações onde se verifiquem indícios de violência no namoro, pois amor não é obsessão e violência não é amor
Fonte: Psicologia4u

Pub


alegre (13) amor (163) Casamento (6) confições (197) destaque (180) divórcio (17) drama (12) elas (40) Ele (29) eles (38) familia (82) filhos (30) História (27) Mulher (18) Pedrógão Grande (6) Portugal (11) Relação (5) Repórter de memórias (3) Traição (10) triste (11) Viagem (10) viagens (41) vida (61)