Sim, já pensei em matar-me e até já decidi fazê-lo uma vez na vida - Aconteceu na minha VIDA
loading...

Sim, já pensei em matar-me e até já decidi fazê-lo uma vez na vida

Sim. Já pensei em matar-me e até já decidi fazê-lo uma vez na vida.

Há horas em que cansamos dessa vida, desse corpo. Olhamos para um lado, olhamos para o outro e não vemos solução.

Sempre imaginei que cometer suicídio fosse um ato de desespero. Não. Desespero, agonia, choro incontrolável, tudo isso se sente antes de cometer o suicídio.
Foto: Mete a Colher
A partir do momento em que se decide tirar a própria vida, uma paz enche teu coração, as lágrimas cessam e, por mais macabro que pareça, uma luz no fim do túnel se acende.
 
É um paradoxo aparente: enfim, encontra-se uma razão para viver: a própria morte.

Torna-se afável a idéia de se livrar do corpo, dos problemas desse mundo. Tu te olhas no espelho e se despede desse amontoado de células que, até então, faziam parte da sua vida. Impossível tu não imaginares teu corpo gélido num caixão forrado de seda creme coberto de flores e tule branco.

Sente-se aquele cheiro de flor de campo característico de velório. Pela primeira vez, pude entender o que aquela música “Flores” do Titãs quis dizer. Seja lá quem compôs essa música, o compôs neste exato momento.
 
Mas ainda tem de se pensar de como se livrar desse corpo, o tipo de suicídio que se pretende. Serenamente escolhi a ingestão de comprimidos e àlcool. Tal opção me pareceu mais indolor. A idéia era desmaiar antes de morrer pois não queria mais sentir dor nessa vida. De dor, basta a dor emocional, esse sentimento que aleija a gente de tudo que há de bom nessa vida.

Comprimidos não faltavam na minha casa. Fiz um mix deles, para dificultar a lavagem caso descobrissem o que eu tinha feito.

Me pus a escrever minha carta de suicídio. Para quem endereçar? Escrevi à minha amiga de infância pois sabia que ela não lidaria bem com a minha morte.

Neste momento, e só neste, chorei. Pela primeira vez, pensei que ao morrer, mataria uma parte das pessoas que amo. Como não fazê-los se sentir culpados por mais que eles não tivessem culpa alguma?

Me senti culpada pela culpa que iria provocar nas pessoas que amo nesse mundo. Com certeza, eles iriam se perguntar como não perceberam que eu não estava bem, como uma pessoa tão forte, tão para cima poderia fazer algo do tipo?

Percebi que o suicídio é um dos atos mais egoístas que um ser humano pode cometer. É um pensar em si, na sua paz, sem saber que atitutes irreversíveis podem acabar com a sua vida e com a vida das pessoas que tu amas.

Nessa hora, me lembrei de um caso de um chefe de família que, endividado, matou a esposa e filhos e depois se matou. Para muitos um ato cruel. Mas não, foi amor. Seria muito mais cruel tu te matares e deixares tua família viva morrer de fome.

Quando terminei de separar os comprimidos que eram no total de 80 entre: antidepressivos, ansiolíticos, calmantes, controle da pressão alta e relaxantes musculares; fui na internet e comecei a fuçar no Google sobre a forma mais eficaz de se matar com comprimidos.

Acabei me deparando com esse vídeo. Nele, Nelson Moraes, praticante do espiritismo de Allan Kardec contou a seguinte história:

“Vou te contar um caso de um senhor. Ele era um grande comerciante de tecidos. Isso na década de 40. E ele comprou um lote imenso de tecido, fez um bom negócio. Só que aí veio a guerra e, meu Deus do céu, ele não conseguia vender mais nada. E aí começaram as cobranças, e ele era um homem de carácter e morria de vergonha dos cobradores baterem na porta dele.

Ele entrou em desespero e falou para um amigo: Vou me suicidar.

E esse amigo falou: “não, não faça isso, pelo amor de Deus, antes vamos conversar com Chico Xavier” e levou essa pessoa até Chico Xavier.
 
E Chico Xavier falou para ele assim: “meu irmão, confia em Deus pelo menos mais 15 dias”

E eles vieram embora. Mas com 9 dias ele não aguentou e se suicidou.
 
Quando deu 15 dias da ida dele no Chico, veio um grupo de empresários e arremataram todo o tecido da mulher e deixou ela bem de vida”
 
Quando ouvi essa história, pensei: Está aí, vou dar esse 15 dias. Afinal, o que são 15 dias a mais ou 15 dias a menos? Pelo menos, ninguém vai pode me jogar na cara que eu não dei crédito a uma força superior num momento difícil.

Os 15 dias se passaram, as coisas se acalmaram um pouco e coloquei meu plano de me matar em stand by.

Fonte: Nirvana Mental
Comente no Facebook

0 comentários:

Enviar um comentário