Pub

Eu amei-te até que a minha dignidade disse: não vale a pena!

A dignidade é a fronteira pessoal e emocional que serve como um protector psicológico.

Dependendo de onde tivermos esse limite, as nossas relações pessoais e sociais gozarão de uma melhor saúde, de um melhor equilíbrio.
Foto: Já Foste
A nossa dignidade nas relações afectivas não deve aceitar que nos rebaixemos nem façamos concessões. No momento em que começamos a ceder e a fazer uma renúncia atrás da outra, essa barreira excepcional e valiosa se romperá.

Se pensarmos bem, iremos dar-nos conta de que são poucas as vezes em que paramos para analisar essa dimensão tão íntima e tão importante de nós que se chama dignidade.

Não o fazemos, em primeiro lugar, porque nos educaram com a ideia de que, se amamos alguém, devemos dar tudo em troca de nada por essa pessoa.

Às vezes é muito complicado conseguir ver onde começa a verdadeira reciprocidade e onde termina a fronteira na qual se abre essa chantagem oculta, discreta, mas voraz, em as que nossas emoções são manipuladas.

É importante levar isso em conta e proteger a nossa integridade pessoal. Porque a dignidade é o respeito que tu sentes por ti mesmo.

“Amei-te até um ponto em que a minha dignidade disse: não vale a pena”. Se esta frase faz sentido para ti, então tu sabes, melhor do que ninguém, que o amor às vezes tem um limite, que se chama precisamente “dignidade”.

Sabemos que há amores aos quais nos entregamos com os olhos vendados e com o coração a bater forte. São saltos para o vazio que fazemos livremente porque assim o queremos, porque assim o sentimos.

Tudo isso seria justificável, desde que não puséssemos em jogo a nossa dignidade. Há relações afectivas em que, às vezes, não vemos os limites. Damos tudo sem esperar nada. Qualquer esforço é pouco para fazer o outro feliz.

Até que, um belo dia, nos damos conta do profundo vazio que sentimos no nosso interior. Não é que algo nos falte, é que tudo vai mal; nada está em sintonia e toda a energia é direccionada a apenas uma pessoa.

Enquanto isso, tu te alimentas apenas de migalhas.

Há momentos nas nossas vidas em que vale a pena sermos corajosos e arriscar. No entanto, não podemos esquecer – é preciso arriscar tendo várias coisas bem seguras: a tua auto-estima, a tua dignidade e o teu direito de ser feliz.

No momento em que alguma dessas coisas falta, devemos tomar uma decisão, tendo sempre em conta que: quem gosta verdadeiramente de nós preocupa-se todos os dias com o nosso bem-estar.

Fonte: Já Foste

Pub


alegre (13) amor (163) Casamento (6) confições (197) destaque (180) divórcio (17) drama (12) elas (40) Ele (29) eles (38) familia (82) filhos (30) História (27) Mulher (18) Pedrógão Grande (6) Portugal (11) Relação (5) Repórter de memórias (3) Traição (10) triste (11) Viagem (10) viagens (41) vida (61)