Pub

O fim existe porque algumas coisas não são feitas para ser

O que há de tão assustador no fim? É algo tão simples e esperado. Nascemos já a saber que tudo acaba um dia.
 
Encerramos milhares de coisas todos os dias, encerramos a embalagem de produtos, encerramos telefonemas, encerramos contratos, encerramos fases, encerramos conversas, programações, viagens, exercícios e refeições. E porque é tão difícil encerrar relacionamentos? 
Foto: Já Foste
Talvez esteja relacionado com o tal do hábito. Hábitos exigem uma dedicação maior para serem abandonados, porém, se aquele hábito estiver a prejudicar-te, é preciso ser forte e livrar-se dele o quanto antes.

Mas aí vem aquela fraqueza, aquele pensamento duvidoso, “será que eu fiz a coisa certa?”, “será que a pessoa está melhor do que eu?”, “o que aquela pessoa tem que eu não tenho?”. Queridos, é para frente que se anda. Fecha a porta e não olhes pela fechadura. Não te interesses em saber se o outro está bem ou não, se ele ainda se lembra, se ele pensa em ti, se ele morreu. Aquele ciclo está encerrado e não é mais da tua conta.

“Ah, mas é que eu podia ter feito mais por nós e talvez ainda estivéssemos juntos”. Bem, mesmo que isso seja verdade, a oportunidade já passou, o timing certo já passou e ficar a remoer-se agora não vai fazer o tempo voltar atrás. Agora é tempo de reflectir e aprender com os erros para não os repetir, mas por favor, não voltes a procurar quem já faz parte do passado porque isso só provocará mais tristeza em ti.

Algumas coisas não foram feitas para dar certo, e não tem volta mesmo. Então, o máximo que se pode fazer é pensar. Pensar, repensar e lembrar-se que no fundo tu sabias que não era para ser.

Texto de Mallu Navarro

Pub


alegre (13) amor (163) Casamento (6) confições (197) destaque (180) divórcio (17) drama (12) elas (40) Ele (29) eles (38) familia (82) filhos (30) História (27) Mulher (18) Pedrógão Grande (6) Portugal (11) Relação (5) Repórter de memórias (3) Traição (10) triste (11) Viagem (10) viagens (41) vida (61)