Pub

Acordar para a vida

Acordar é como o sol nascente. No início tudo parece ser muito escuro, como vislumbres de consciência que começam a iluminar as sombras. Emergentes de um sono longo, os nevoeiros e véus que nos encobriam dissolvem-se e toda a planície de mente surge como um terreno no seu todo. É tranquilo.
Foto: Psicologia.pt
A vagareza do corpo, ainda sonolento, a pouco e pouco vai deixando gerar dentro de nós muitas conversas internas. Há uma intimidade consigo mesmo; você como o núcleo do seu Ser.

Durante estes primeiros minutos, a mente e o cérebro estão muito receptivos à influência. Se, por hipótese, um alarme soou alto e de rompante, você provavelmente irá sentir-se abalado por algumas horas. Por outro lado, se alguém que você ama, de repente começar a dizer-lhe o quanto ele ou ela gosta de si, o mais certo é ficar a sentir-se bem por horas. Assim sendo, precisamente nestes momentos delicados e encantadores dos primeiros ‘sopros’ da manhã, porque não influenciar positivamente a sua mente (e a si mesmo)?

Há um provérbio antigo que diz que a nossa mente adquire a forma do que quer que repouse sobre ela. Para melhor ou para pior! Em vez de repousar sobre ela planeamento excessivo, calculismo, preocupação (que simplesmente quer dizer “pré- ocupação”, ou o nos ‘ocuparmos’ com algo que ainda não aconteceu), stress, etc., porque não reservar uns escassos minutinhos do seu tempo para receber e abraçar algo de mais positivo?

Como se sentiria se desse para “reconfigurar” o seu dia para melhor (especialmente se for uma pessoa propensa, como muitos, a alguma ansiedade ou aos chamados “blues” matinais)? Desta forma, à medida que o seu dia se desenrola, poderá, sempre que necessário, retornar aos sentimentos e intenções que estabeleceu para si quando acordou. Chama-se a isto criar uma “ancoragem” emocional… para, de quando em vez, poder reabastecer-se e recorrer rapidamente à “box” na estrada da vida. :)

Vejamos como.

Primeiro de tudo, esta prática tem a grande vantagem de ser muito natural e simples. Quando acorda, ou seja, no estado vigil, procure descansar primeiramente ( primeiro a mente ;) ) a mente e repousar nela duas ou três coisas que são boas para si ou que lhe fazem sentir bem. Suavize. Procure um sentimento de refúgio e deixe-o escorrer dentro de si, como que “inundando” (primeiro) a sua mente, depois o seu corpo, pelos rios do sangue, percorrendo sistemas, tecidos e órgãos. O cérebro tem necessidades muito específicas, como por exemplo evitar a dor e sentir-se recompensado. Assim, à medida que formos atendendo a elas, procurando que ele natural e progressivamente se “anexe” a estes sentimentos, criamos desde logo as condições para ser ele próprio (sem um grande esforço activo, consciente ou “deliberado”) a buscar estes padrões, por repetição. No modo ágil que o caracteriza, o cérebro começa a abastecer o corpo e a reparar as “fissuras” mentais, da mente que o habita, para a procura e o alcance de um senso básico de paz, de amor, de felicidade, de reparação, de integração. Em suma, de cura, de saúde e de bem-estar.

Agora que já sabe :), não se esqueça que o cérebro / mente é como uma esponja durante os primeiros minutos, depois de acordar. Como tal, procure encontrar a cada nova aurora um sentido de paz (tranquila, segura, não em guerra com algo ou alguém), felicidade (que não é só contentamento), e amor (partilha, entrega, benevolência, compaixão… por si mesmo e pela espécie da qual fazemos parte, que bem precisa… ;) ).

Assim que os tiver encontrado, agracie o momento. Eles são um (e “o”) presente.


Fonte: Sara Ferreira | Psicologia.pt

Pub


alegre (13) amor (163) Casamento (6) confições (197) destaque (180) divórcio (17) drama (12) elas (40) Ele (29) eles (38) familia (82) filhos (30) História (27) Mulher (18) Pedrógão Grande (6) Portugal (11) Relação (5) Repórter de memórias (3) Traição (10) triste (11) Viagem (10) viagens (41) vida (61)