Pub

UBER - Levei um jogador de futebol conhecido

Sábado, dia 21 de Janeiro de 2017, em mais uma noite de serviço, transportei um cliente bem conhecido.

Estava a passar pela zona do Bairro Alto em Lisboa, quando recebo uma chamada. Desloquei-me ao local e esperei. Esperei uns minutos e nada. Até que tive de ligar para pedir informações sobre o local do cliente.
Foto: Google
Ao atender o telefone, foi-me dito para me deslocar um pouco mais a baixo, perto do restaurante Tavares Rico. Assim fiz.

Ao chegar, reparei que a pessoa estava um pouco apressada, entrou no carro e rapidamente me disse, que o tinha salvo esta noite.

No momento não reparei quem era, disse o que normalmente digo, se a temperatura estava ok, o som e se queria que segui-se o GPS. O cliente disse que estava tudo ok e que só queria era chegar a casa.

No caminho, o cliente começou a puxar conversa comigo. Perguntas normais, de onde sou, se faço isto á muito tempo, etc...

No meio da conversa, disse-me que era jogador de futebol e de um clube bem conhecido em Lisboa. LOL, nessa altura tentei olhar para a cara para o reconhecer, pois tinha entrado mesmo ao meu lado.

Não consegui ver quem era, mas também não me disse o nome, disse só o clube em que jogava. A história que me contou foi engraçada.

Disse que tinha um jogo este domingo e que não deveria ter saído. Se o clube soubesse poderia puni-lo. Mas os amigos o influenciaram e ele cedeu. O problema foi depois. Após o jantar, ao sair do restaurante, deparou-se com a normal multidão do bairro alto. Alguns o conheceram e tentaram falar com ele. Foi aí que ele teve de se escapar.

Perguntei-lhe se andava muito de UBER. Ele disse que sim e que era uma forma de sair sem dar muito nas vistas. Disse que tinha namorada e que "também" tinha amigos, o que por vezes não conseguia equilibrar as coisas.

Disse que era novo e gostava de se divertir, sem por em causa a sua profissão, mas que adorava uma boa diversão.

Ainda me disse que adora Lisboa e Portugal e que não quer sair de cá de forma alguma. Nunca se sentiu tão bem.

Bem, podia dizer que era. Mas poderia por em causa muita coisa. Ele ainda me ofereceu o boné que usava autografado e sem eu o pedir. E voltou a repetir que o tinha salvo essa noite.

O que posso dizer é que é jogador de um dos dois clubes grandes de Lisboa.

Escrito por Sérgio Lemos Figueiredo

Pub


alegre (13) amor (163) Casamento (6) confições (197) destaque (180) divórcio (17) drama (12) elas (40) Ele (29) eles (38) familia (82) filhos (30) História (27) Mulher (18) Pedrógão Grande (6) Portugal (11) Relação (5) Repórter de memórias (3) Traição (10) triste (11) Viagem (10) viagens (41) vida (61)