Pub

Gosto de amar, é o que mais gosto

É verdade, um dos maiores sentimentos que admiro, que adoro e que têm grande significado, é o amor. O amor que sentimos por alguém. E não falo do amor familiar, falo sim do amor que sentimos por alguém em especial. É um dos maiores sentimentos que alguma vez podemos ter e sei que muitos não o conseguem alcançar, pena.

Hoje, pela primeira vez ao mudar de canal, vi uma mulher, cantora de fado, no programa alta definição, Gisela João e que me fez escrever este texto. Porquê? Porque vi nela muita coisa em que identifico. Por norma não consigo ver esse programa, pois não costumo ter como referência a vida de outras pessoas, não sou pessoa de ídolos nem de clubes, sou cidadão do Mundo. Apesar de viver em sociedade tento sempre e na maior parte das vezes não ouvir para não ser influenciado ou então escolher muito bem o que ouço e o que leio, mas neste caso fui influenciado, ao ver o programa senti como se fosse eu que ali estivesse.
 
Foto: Sérgio Lemos Figueiredo
E principal razão foi sem dúvida a simplicidade de vida que ela teve (por vezes muito difícil) e a forma como a vê e a vive. Eu sempre fiz tudo o que veio à cabeça, mesmo com muitos erros, com algumas desistências pelo meio, sempre fiz o que quis, sempre, com ou sem apoio da família, mas nas partes com final menos feliz, sempre ali estiveram, entendem não é! E com 40 anos anos continuo a fazê-lo.

Algumas vezes, senão mesmo muitas, tive formas de pensar muito conservadoras, isto devido muito a influências familiares, propriamente dos meus pais, duas pessoas que sempre acompanhei durante a minha vida e que irei sempre acompanhar. Agora e passado por alguns momentos bons, vejo as coisas de outra forma, claro dentro dos meus padrões, mas de uma forma mais aberta.

O gostar de amar foi algo que durante a minha vida adorei sentir. Adoro o sentimento de amar alguém, nem mesmo que seja por pouco tempo. O gostar de alguém é algo que me faz sentir realizado. Adoro aquela aperto no estômago, adoro as saudades daquela pessoa, adora conviver e falar quando amo.

O sentimento de amor é um vicio para mim. Em todas as relações consegui amar a mais de 100%, consegui ser chato, ser bondoso, ser preocupado. Adoro aquele abraço quente de quando gostamos de alguém. Nas alturas em que amava e que sentia o amor intensamente, um beijo um olhar chega para apreciar-mos a outra pessoa de certa forma. Conseguimos ir buscar toda a beleza, até no mais pequeno sinal.

Lembro-me do primeiro beijo que dei. Lembro-me que o nervosismo, o suor, eram tantos que, devia ter sido o beijo mais marcante da minha vida, mas não foi. Para mim não existem beijos marcantes, para mim existem beijos intensos, diferentes e com pessoas especiais e não tem de ser com aquela pessoa, desde que não tenhamos tabelado na nossa mente um único beijo. Não existem pessoas iguais, logo não existem beijos iguais. 
 
Quando amamos, o pior beijo poderá ser tornado no mais intenso beijo alguma vez dado.

Sim, adoro viver um amor. Adoro começar a gostar de alguém. Digo-vos, sabe tão bem. Sabe tão bem começarmos a falar com alguém que nos enche.

Posso dizer que em toda a minha vida tive, talvez 2 ou 3 grandes amores. Desses tive um que foi o maior. Sim, tenho saudades dele, tenho saudades de o sentir. Foi mesmo bom. Mesmo muito bom.

Quero mais um e depois outro. Quero conhecer alguém que seja tão viciado como eu em amar, em gostar. Quero viver até ao fim da minha vida assim, a amar intensamente. Primeiro ser livre, ser autêntico e depois, amar e amar muito.

Este é o conselho que dou a todos vocês. Amem e gostem muito. Não se culpem nem desperdicem muito tempo com o fim de uma relação ou com uma situação menos boa. 
 
Vejam isto desta forma, amaram muito alguém, já passou já lá vai e ficou registado. Sintam saudades desse amor, é saudável mas sigam em frente. A vida é vossa, quem a comanda é vocês, por isso avancem que de certeza irão encontrar mais outro amor.

Adoro amar alguém, este é o meu vício.

Escrito por Sérgio Lemos Figueiredo

Pub