Pub

Nem sempre a gente fica com o amor de nossas vidas

Eu acredito em grandes amores.

Mas falo e me relaciono com as pessoas como se não acreditasse.

Eu não tenho expectativas fúteis para o romance. Eu não estou à espera de sentir aquela sensação estranha de estar flutuando. Eu sou um daqueles indivíduos raros, talvez um pouco cansados, que realmente gosta desta cultura atual de conexão entre as pessoas e é feliz por viver numa época em que a monogamia não é necessariamente a norma.

Mas eu acredito em grandes amores, porque já tive um.


Eu tive esse amor intenso, que tudo consome. O amor do tipo “eu não posso acreditar que isso existe no mundo real, no mundo físico.”

O tipo de amor que irrompe como um incêndio incontrolável e então se torna brasa que queima em silêncio, confortavelmente, durante anos. O tipo de amor sobre o qual se escrevem romances e sinfonias. O tipo de amor que ensina mais do que a gente alguma vez pensou que poderia aprender, e que te devolve infinitamente mais do que tira de você.

É amor do tipo “amor da tua vida”.

E eu acredito que funciona assim:

Se você tiver sorte, você conhecerá o amor da sua vida. Você terá a chance de estar com ele, aprender com ele, entregar-se inteiramente a ele e permitirá que a sua influência te mude em medidas insondáveis. É uma experiência como nenhuma outra.

Mas aqui está o que os contos de fadas não te vão dizer – às vezes nós encontramos os amores das nossas vidas, mas não conseguimos mantê-los.
 
Foto: Resiliência Mag
Nós não chegamos a nos casar com eles, nem passamos anos ao lado deles, nem seguraremos as suas mãos nos seus leitos de morte depois de uma vida bem vivida juntos.

Nós nem sempre conseguimos ficar com os amores da nossa vida, porque no mundo real, o amor não conquista tudo. Ele não resolve as diferenças irreparáveis, não triunfa sobre a doença, ele não preenche fendas religiosas e nem nos salva de nós mesmos quando estamos perdidos.

Nós nem sempre chegamos a ficar com os amores das nossas vidas, porque às vezes o amor não é tudo o que existe. Às vezes você quer uma casa num pequeno país com três filhos e ele quer uma carreira movimentada na cidade. Às vezes você tem um mundo inteiro para explorar e ele tem medo de se aventurar fora do seu quintal. Às vezes você tem sonhos maiores do que os do outro.

Às vezes, a maior atitude de amor que você pode ter é simplesmente deixar o outro ir.

Outras vezes, você não tem escolha.

Mas aqui está outra coisa que não te vão contar sobre encontrar o amor da tua vida: não viver toda a tua vida ao lado dele não desqualifica o seu significado.

Algumas pessoas podem te amar mais em um ano do que outras poderiam te amar em cinquenta anos. Algumas pessoas podem ensinar-te mais em um único dia do que outras durante toda a sua vida.

Algumas pessoas entram nas nossas vidas apenas por um determinado período de tempo, mas causam um impacto que mais ninguém pode igualar ou substituir.

E quem somos nós para chamar essas pessoas de algo que não seja “amores das nossas vidas”?

Quem somos nós para minimizar a sua importância, para reescrever as suas memórias, para alterar as formas em que nos mudaram para melhor, simplesmente porque os nossos caminhos divergiram? Quem somos nós para decidir que precisamos desesperadamente substituí-los – encontrar um amor maior, melhor, mais forte, mais apaixonado que pode durar por toda a vida?

Talvez nós devêssemos simplesmente ser gratos por termos encontrado essas pessoas.

Por termos chegado a amá-las. Por termos aprendido com elas. Pelas nossas vidas se terem expandido e florescido como resultado de tê-las conhecido.

Encontrar e deixar o amor da tua vida não tem que ser a tragédia da tua vida.

Pode até ser a tua maior bênção.

Afinal, algumas pessoas nunca chegam sequer a encontrá-lo.

Texto de Heidi Priebe (tradução)

Fonte: Já Foste

Pub