Pub

Sofri abuso e apanhei tanto dos meus pais, que virei prostituta e depressiva

Achei esta história de vida, complicada mas merece uma publicação. Não corrigi o original.

"Esse texto mexeu tanto comigo que, apesar de não poder respondê-lo por ter saído das regras, resolvi postá-lo. 


Aos futuros papais e mamães: pensem bem na criação que vocês estão dando para os filhos de vocês. Tal como poderemos ver no relato a seguir, estar junto não só não é garantia de felicidade para a criança, como pode piorar as coisas.

À amiga do relato: espero que em breve você se esqueça que um dia foi triste, apesar de que claro, tristezas temporárias são normais e fundamentais para a nossa evolução.

Não perca a fé.
Oi Luiza, como vai? Estou passando por um momento muito difícil e talvez não seja o tema do seu blog, mas vamos lá.

Desde muito cedo eu sinto na pele o que é rejeição e abuso. Até metade do ano passado, nunca encarei o que vivi como abuso, mas hoje sei que foi e ainda tento lidar com isso.

Eu fui espancada pelos meus pais diversas vezes: apanhava com socos e chutes dos dois juntos, cinto, pedaço de mangueira e com qualquer objeto que você possa imaginar. Os motivos? Porque não limpei a casa, porque fiz uma arte comum de criança, não conseguia fazer o dever da escola ou qualquer motivo banal.

Aos 7 anos, ouvi minha mãe dizer ao meu pai que queria me matar, porque não me aguentava mais. Eu sempre fui uma criança isolada e quieta, não entendo o motivo de tanto ódio. Na escola eu não tinha amigos, por mais que tentasse me aproximar, as outras crianças sempre me rejeitavam e caçoavam de mim.

Quando meu irmão nasceu, eu tinha 9 anos. Comecei a ter responsabilidades com ele e com a casa. Se ele se machucasse ou a casa não estivesse do jeito que minha mãe queria, eu apanhava e muito. Quando ele cresceu, até dele eu apanhava, sem poder fazer nada.

Meu pai me molestou diversas vezes, nunca teve penetração, mas hoje entendo que, mesmo sem, é abuso. Eu já tentei pedir ajuda, mas minha mãe sempre me fazia sentir culpada, seja pelas roupas que eu usava ou meu comportamento. Não entendo como uma criança pode ser culpada, mas enfim…

Eu não tive o amor da minha família, vivia um terror todos os dias. Eu tinha medo de apanhar, medo de morrer, medo de algo acontecer comigo. Tenho depressão desde a infância, não lembro de ter sido feliz, minha vida foi muito difícil.

Eu fui mãe na adolescência na tentativa de sair da casa dos meus pais, não deu certo e continuei sofrendo até eu virar garota de programa e conseguir sair de casa. Conheci um cliente que hoje namoramos a distância e ele me ajuda a estudar e com minhas despesas. Minha vida mudou muito depois que conheci ele. Hoje eu estudo, moro com meu filho em um apartamento sozinha e consegui ser mais feliz. Mas me incomoda o fato de a depressão sempre estar presente.

Eu não tenho amigos, as pessoas sempre me substituíram por outras ou simplesmente se cansaram de mim. Meus relacionamentos também foram abusivos e já fui usada por muitas pessoas. Eu tinha um problema sério de não gostar de mim e já cheguei a colocar minha saúde em sérios riscos por beleza.

Minha primeira tentativa de suicídio foi na infância, mas me apoiei em uma religião que me deu forças pra tentar melhorar a vida. Hoje, mesmo após terapias e tratamentos medicamentosos, eu não vejo melhora. Volta e meia eu me vejo triste e com vontade de desistir. Eu não quero morrer, mas já estou muito cansada. Perdoei minha família, inclusive ajudei a minha mãe quando ela ficou sem ter onde morar, morou no meu apartamento, mas estava tão insuportável que tive que pedir para ela sair.

Meu filho disse que meu irmão lambeu o bumbum dele e fico pensando no que pode ter acontecido. Aquele dia eu pensei em me matar de novo, mas se eu o fizesse, meu filho ficaria perto do meu irmão e não quero isso de jeito nenhum. Eu me culpo demais por ter deixado meu filho em contato com meu irmão, já que ele tem um problema mental. Minha mãe vive me pedindo dinheiro e eu me sinto mal em não ajudar. A última que ela fez foi ter vindo até minha casa com uma virose e ter compartilhado copos comigo. Ela estava com diarreia, mas até então eu não sabia da virose.

Resultado: Ela dormiu aqui dois dias, deixou minha casa imunda, borda da privada cheia de diarreia, pratos sujos com comida na mesa etc, e quando viu que eu não parava de vomitar e com diarreia, ela simplesmente foi embora sem ao menos se despedir. Eu não entendo porque ela faz isso comigo, não entendo porque algumas pessoas também fizeram coisas ruins comigo. Eu tenho algum problema e gostaria de saber qual é. Talvez não tenho amigos porque sou muito chata, mas…

Tudo que estou vivendo está acabando comigo. Não tenho esperanças de mais nada. Estou tentando levar os estudos e a vida, mas tem dia que não quero levantar da cama nem abrir a janela do meu quarto. Mal consigo comer e só levanto pra alimentar meu filho. Está sendo extremamente difícil, meu filho vive com medo de eu morrer e não quero que ele passe por isso. Me desculpe pelo longo desabafo e pela escrita também, eu estou mal de virose mas consigo raciocinar bem.

Por favor me responda se puder. Abraço!"

Fonte e Foto: Pergunte a Uma Mulher

Pub