Pub

Às vezes a gente fica triste por certas perdas sem saber que na verdade são livramentos

Às vezes tu choras escondido por perdas que na verdade são livramentos, sem saberes que a vida te faz um favor, sem entenderes que aquilo não é o fim do mundo, mas sim o início de algo melhor. Porque viver é saber recomeçar vez após outra, é fechar uma janela para abrir uma porta enquanto enxugamos as lágrimas por algo ou alguém que nunca as mereceu.

Albert Einstein costumava dizer que se havia uma coisa pela qual ele tinha gratidão era por todas aquelas pessoas que ao longo da sua vida lhe tinham dito “não”. Cada uma das frustrações sofridas por conta daqueles que se negaram a ajudá-lo oportunamente lhe permitiu mais tarde encontrar essa motivação com a qual aprendeu a fazer as coisas por si só. A ser mais forte.
 
Foto: Sérgio Lemos Figueiredo
Ninguém sabe o quanto eu já chorei, nem tudo o que essas lágrimas me ensinaram. Atualmente sou o resultado de cada um desses prantos silenciosos que deixei escapar, e não por fraqueza, mas sim por cansaço de ser forte… Há momentos em que simplesmente não aguentamos mais. O stress emocional causado por tantas decepções, fracassos e por cada “não” encontrado no caminho às vezes nos obriga a parar. É nesse momento que aparece a sensação de impotência e de que perdemos o controle das nossas próprias vidas.

O primeiro passo para atingir o equilíbrio interior é o choro. Depois das lágrimas vem a tranquilidade, e na sequência, a clareza.

É muito provável que se tu agora pudesses viajar ao teu próprio passado, sentirias compaixão de ti próprio vendo-te chorar por motivos que provavelmente nunca valeram a pena. Todas essas lágrimas derramadas por quem nunca mereceu o teu afeto ou por cada instante de angústia por um projeto ou sonho que nunca valeu realmente a pena são agora lembranças permanentes. Sonhos quebrados, mas ao mesmo tempo úteis, que dão forma aos nossos próprios ciclos vitais.

Agora, cabe apontar que ninguém chega a este mundo “já sabendo” de fábrica. As lágrimas são como rituais de passagem que precisamos experimentar à força para continuar crescendo, para saber “quem sim e quem não”, para nos colocarmos à prova e medirmos as nossas próprias forças.

Após a dor vem a oportunidade. É muito provável que tu tenhas ouvido muitas vezes essa expressão de que “só quem já sofreu pode entender o que é a vida de verdade”. A felicidade também ensina, também nos oferece recursos adequados, mas a adversidade é aquele cruzamento no caminho pelo qual a maioria de nós terá de passar alguma vez.

Eu também já chorei por cebolas que não valiam a pena, por sonhos que o vento levou e por doces desejos que se tornaram amargos…

Quando nos cruzarmos com o sofrimento, quando experimentarmos a dor em qualquer das suas formas, já não seremos os mesmos. Por isso, é preciso propiciar “um sofrimento útil”, esse que nos permite aprender a ser mais hábeis, melhores estrategistas com mentes resilientes e pessoas capazes de ver novas oportunidades. Porque mesmo pensando que a vida nos deu um redondo “não”, às vezes não é mais do que um “espera mais um pouco”.

Para poder ver as oportunidades em tempos de escuridão é preciso gerar uma paz interior apropriada. Depois de chorarmos por essa decepção, por essa ruptura ou por esse fracasso, é preciso fazer uma mudança. Agora, um erro no qual caímos com frequência é o de esperar que alguma coisa aconteça ao nosso redor para então encontrarmos uma motivação, um propósito que nos permita continuar a avançar para deixar para trás o acontecido.

Esta não é a abordagem correta. O melhor é “nós mesmos sermos a própria mudança”. Ao contrário de ficar esperando que venha de fora, é preciso induzi-la a partir de dentro. Porque precisamente quando paramos de esperar e reagimos, a própria vida muda.

No fim das contas, é nestes momentos de dificuldade pessoal que descobrimos as fortalezas que temos internamente e tudo o que somos capazes de fazer. Porque mesmo que tu não acredites, somos como o carvalho, que quanto mais o vento sopra, mais forte cresce.

Texto de Valéria Amado (tradução)

Fontte: Já Foste

Pub