Pub

PEDRÓGÃO GRANDE - Esta casa é agora uma mancha negra

Edite vivia em Vale da Nogueira, Pedrógão Grande. Nada restou da moradia onde habitava, que foi totalmente consumida pelas chamas. Nem os animais que tinha conseguiu salvar.

Uma mancha negra é o que se vê daquela que era a casa de Edite, em Vale da Nogueira. A moradia foi consumida, totalmente, pelo enorme incêndio que já matou, pelo menos, 61 pessoas no concelho de Pedrógão Grande, distrito de Leiria.
 

"Perdi tudo, tudo, não tenho nadinha, a não ser os carros".

Foi nessas viaturas que conseguiu fugir, com a família, para Vila Facaia, "ao pé das escolas e dos jardins, porque lá havia água", contou ao repórter da TVI, no local, Emanuel Monteiro.
 
"Fui buscar aquele porco, mas entretanto levantou-se o vento. A gente tentou salvar os animais, mas deixámos o animal ali, e vimos que não tínhamos outra hipótese que não a de fugir com os carros e isto acabou por arder tudo"

Queixa-se de falta de ajuda dos bombeiros e da junta de freguesia: "Não apareceu um bombeiro sequer. Só à uma da manhã, apareceu um bombeiro em Vale da Nogueira. Aqui nem um único, nem presidente da junta, nem sapadores, nada, ninguém ninguém que me conseguisse ajudar a salvar a casa".
 
"Não tenho a mínima ideia do futuro. Estou partida de pernas e braços. E neste momento, nem dinheiro tenho".

Nem dinheiro, nem roupa, esta mulher conta agora com o apoio da irmã, cuja casa escapou às chamas.

O primeiro-ministro, António Costa, já deu a indicação de que há 400 operacionais da Segurança Social disponíveis para apoiar as vítimas, "tanto em termos de alojamentos de emergência, quer para apoios sociais que sejam necessários".

Fonte e Foto: TVI24

Pub